sexta-feira, outubro 27, 2006

Da série TEXTÍCULOS, versinhos ridículos

Como será o não ser?
Há o não haver?
Meus sentimentos a quem não sente mais...


Sempre assim
Sabia que ia ser
Eu a idiota no fim

Se eu não escrevo é porque não sinto?
O que fica dentro é o que eu invento
Só não te falo porque não minto.

Vinho tinto
Sanguesanguesangue
Suga
Todo este vinho, toda tua culpa.

Ponto de fuga


Desencanto
No meu canto
Eu não canto mais pra ti

Cantada fraca
Fracasso merecias
Vai cantar outras gurias!

Anão de jardim,
Procura alguém da tua altura
E não olha mais pra mim

Três estrofes e nove versos



A seriedade das coisas
O que é sério, Sírio?
Tu és bonito. Te digo isto e é engraçado. Mas é sério...
É sério é verdade?
Nem sempre a verdade é séria.

Sorria




De tudo isso, gostei dos títulos no fim
De tudo isso, no fim, gostei dos títulos
Gostei de tudo isso no fim
No fim, gostei de tudo
Gostei

Dos títulos

3 comentários:

Roberta Alves disse...

gostei dos títulos tbm...e do interior mais ainda...
bjus, saudades ;)

Roberta Lanziani disse...

que bonitinho teus textos, n tinha lido ainda..Larga a arquitetuira mulher, tens futuro..huaihauiha
Sacanagens a parte, ta legal mesmo!
Saudadess miguxa, te espero quarta!
BJooooooooooooooooooooS!

Leti disse...

olha... filósofa hein! mas tua amiga aki tbm é, tirei 10 em filosofia, meu raro 10 na facul! auhauiahuiahi
Sério, tão legais os textos! Profundos... :P
Agora vê se atualiza isso!!! Garanto que não acabou o acervo! hehehehe bjus!